ACRE

PASTORES SÃO ACUSADOS DE VENDER AMEACRE POR CARGOS POLÍTICOS

13 Mar de 2019 do YacoNews
Por Leonildo Rosas

 Paulo, Reginaldo e Ildson. Três nomes, três pastores líderes de congregações evangélicas, três pessoas nomeadas para ocupar cargos comissionados no governo do Estado e no Senado da República.

 Dirigentes da Associação dos Missionários Evangélicos do Acre (Ameacre), os pastores Paulo Machado, Reginaldo Pereira e José Ildson são acusados por vários evangélicos de “venderem” a entidade para ocuparem cargos políticos.

 “Eles fizeram várias reuniões pedindo apoio para o atual governo. Pensei que era algo para o coletivo. Vejo, agora, que os interesses individuais estavam acima de tudo”, lamentou um pastor, que pediu a proteção da fonte.

 Se a Ameacre foi vendida, não se pode afirmar. Fato concreto é que Paulo Machado e Reginaldo Pereira irão ganhar mais de R$ 6 mil, haja vista que foram nomeados para ocuparem CEC 6 na administração estadual.

 José Ildson foi mais bem abençoado. Receberá mais de R$ R$ 11 mil como assessor da senadora Mailza Gomes.

 Como o clima é tenso no meio evangélico, Paulo Machado, que é presidente da Ameacre, escreveu carta falando mais das suas supostas qualidades pessoais do que para se defender das acusações.

 Declarou, dentre outras coisas, que não tem remuneração como pastor e presidente da entidade.

 A carta não convenceu. Cerca de 20 pastores da Ameacre participarão de reunião extraordinária hoje. A pauta não será bíblica.

1 comentários :

  1. São um bando de aproveitadores que deviam ter vergonha de usar o nome de Deus em benefício financeiro próprio.

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.